quinta-feira, 5 de março de 2009

Memória Afetiva - Fernando Sabino

Faz mais ou menos cinco anos que li pela última vez um livro do escritor mineiro Fernando Sabino. Era 2004, tinha acabado de conseguir um emprego na Prefeitura de Santos e uma das primeiras coisas que fiz com o meu salário foi comprar dois livros dele. O primeiro foi Cartas na Mesa, uma linda compilação de cartas que ele escrevia a seus três melhores amigos de vida, Hélio Pellegrino, Otto Lara Rezende e Paulo Mendes Campos. Meu exemplar, inclusive, está todo rabiscado de lápis, nas passagens que mais me tocavam, que mais me diziam algo sobre mim mesmo.

Logo depois comprei Os movimentos simulados. Romance publicado pela primeira vez naquele ano, mas que estava guardado desde 1946, quando ele o escreveu com apenas 22 anos. Um romance de certo inferior aos seus três clássicos (O Encontro Marcado, O Grande Mentecapto e O menino no Espelho), mas que me empolgou tanto quanto qualquer outro, incluindo as dezenas de livros de crônicas.

Sabino morreu naquele ano, em 11 de outubro, véspera de seu aniversário e perto do meu.

Digo isso, assim sem motivo oficial para citar Fernando Sabino, para dizer que comprei outros dois livros dele que eram meu sonho de consumo desde essa época. Cartas a um jovem escritor e suas respostas é a correspondência do jovem iniciante com ninguém menos que Mário de Andrade. Livro Aberto que tem como subtítulo a frase “Páginas soltas ao longo do tempo” é bem isso mesmo. Um apanhado de textos, idéias e impressões de Sabino sobre tudo, às vezes no Brasil e algumas outras em sua estadia em Nova York (anos 40) ou Londres (anos 60).

Daniel Galera, Fabrício Carpinejar, Bukowski, John Fante e David Sedaris. Todos esses que estão na fila dos livros que vou ler terão que esperar. Depois de cinco anos eu devo a mim mesmo mais uma dose considerável de Fernando Sabino, um dos caras que me fizeram gostar de ler. E de escrever!

4 comentários:

  1. Fernando Sabino, um ótimo escritor e um daqueles homens lindos, que sabe escrever, dizer e sentir as dores e alegrias da estranha vida humana!
    Tenho-o como uma das melhores descobertas do ano passado. E, depois de "Cartas perto do coração", livro de cartas entre "minha" Clarice e "seu" Sabino, me senti mais próxima deste universo simples, sábio e fantástico da literatura do moço mineiro...
    Faz bem, ler este que tanto significado tem para sua vida. É como entrar num sonho! Com a certeza que sairá mais leve e coberto de emoções.
    =)

    ResponderExcluir
  2. muito bom saber que aquele desconto de todo final do mês vale muito a pena...

    ... alimenta nossa alma, preenche alguns vazios que vão ficando no caminho

    boa leiura!

    ResponderExcluir
  3. O primeiro que li foi 'O menino no espelho', há trocentos anos. E o último terminei alguns meses atrás, 'Aqui estamos todo nus'. O próximo? Acho que será 'A falta que ela me faz'. E 'O Grande Mentecapto' já é um clássico da tchurma! rs

    Sabino é bão demais!

    ResponderExcluir
  4. Don Mimi de las Maresias Buenas24 de março de 2009 20:04

    que fernando sabino que nada.O melhor escritor mineiro de todos os tempos e Paulo Mendes Campos.E tenho dito.

    ResponderExcluir